Hipertireoidismo na gravidez

Hipertireoidismo na gravidez

março 11, 2019 0 Por Daniela

O Hipertireoidismo é uma disfunção tireoidiana bastante comum, que acomete mais mulheres do que homens, principalmente entre as idades de 20 e 40 anos. Quando ocorre na gravidez, ele pode apresentar diversos riscos tanto para a gestante quanto para o feto e, por isso, deve ser tratado imediatamente sob supervisão de um endocrinologista.

Esse distúrbio é caracterizado pela maior produção dos hormônios toxina (T4) e tri-iodotironina (T3) pela tireoide, uma glândula com o formato de borboleta localizada na parte da frente do pescoço. Com o excesso desses hormônios na corrente sanguínea, a pessoa acaba sofrendo com a aceleração do metabolismo, o que resulta na perda de peso repentina e outros sintomas bastante incômodos, como tremores, suor excessivo, fraqueza muscular e fadiga.

Além disso, mulheres que sofrem com Hipertireoidismo têm mais dificuldades para engravidar e, na maioria das vezes, a condição é desencadeada pela Doença de Graves, uma doença imunológica crônica que influencia na maior produção de hormônios, além de aumentar a glândula tireoide.

Como identificar Hipertireoidismo na gravidez?

médica com as mãos no pescoço de mulher grávida, para identificar hipertireoidismo

O Hipertireoidismo pode surgir antes ou durante a gravidez e, quando não tratado adequadamente, pode ocasionar diversas complicações, como parto prematuro e hipertensão na mãe. É importante ressaltar que, na maioria das vezes, a mulher já apresentava sintomas do distúrbio antes da gestação e, por isso, não percebe as mudanças no corpo quando engravida.

Para identificar a condição na gravidez, um exame de sangue é realizado para medir a dosagem do hormônio TSH produzido pela hipófise e dos hormônios T3 e T4 produzidos pela tireoide. Se o TSH estiver baixo e os níveis de hormônios altos, o Hipertireoidismo é diagnosticado.

Sintomas

O Hipertireoidismo na gravidez pode apresentar algumas manifestações que caracterizam a condição, exigindo uma atenção maior da gestante e do obstetra.

Os principais sintomas do Hipertireoidismo são:

  • Perda de peso, embora que a pessoa continue se alimentando bem
  • Aumento do apetite
  • Ansiedade
  • Aumento da umidade da pele
  • Sensibilidade à luz
  • Vermelhidão nas palmas das mãos
  • Irritabilidade
  • Nervosismo
  • Fraqueza nas unhas
  • Fraqueza muscular
  • Palpitações e arritmia cardíaca
  • Hipertensão arterial
  • Suor em excesso
  • Tremores em algumas partes do corpo, como mãos e dedos
  • Glicose alta no sangue
  • Fadiga
  • Queda de cabelo ou fios quebradiços
  • Bócio, um aumento do volume da tireoide
  • Anemia
  • Diarreia
  • Aumento da vontade de urinar
  • Dificuldade para concentração
  • Insônia
  • Amnésia

É perigoso?

mulher com mão no pescoço

Como visto anteriormente, o Hipertireoidismo pode causar diversas complicações durante a gestação e, por esse motivo, é indicado que a gravidez seja adiada até que o problema seja resolvido. No entanto, isso não é sempre possível, o que exige um tratamento repleto de cuidados que deve ser iniciado para manter os níveis de hormônios tireoidianos estáveis.

Quando não tratado adequadamente, o Hipertireoidismo na gestante pode gerar condições mais graves, como abortamento, Hipertensão arterial da gravidez (pré-eclampsia e eclampsia), Insuficiência cardíaca congestiva, Arritmia cardíaca, deslocamento da placenta, Edema pulmonar, Tempestade tireoidiana ou crise tireotóxica, entre outras.

Afeta o bebê?

bebê com a mão na boca

Como visto anteriormente, o diagnóstico e o tratamento imediato do Hipertireoidismo antes ou durante a gestação é extremamente importante, uma vez que essa condição pode até mesmo ser fatal para o bebê.

Os sintomas no feto podem surgir no segundo semestre de gravidez, e incluem frequência cardíaca acelerada e aumento da glândula tireoide (bócio). Quando não tratado adequadamente, é possível que complicações mais graves deixem consequências negativas na vida da criança. Cerca de 15% dos bebês acabam falecendo, enquanto os outros podem desenvolver insuficiência cardíaca devido aos batimentos acelerados. Além disso, é possível que o desenvolvimento intelectual da criança seja comprometido, assim como seu crescimento, resultando na baixa estatura.

Essa condição geralmente ocorre quando a mãe possui a Doença de Graves durante a gestação, na qual os anticorpos que estimulam o aumento da glândula tireoide e produção de hormônios atravessam a placenta e afetam a tireoide do feto. O Hipertireoidismo costuma ser temporário em recém-nascidos, pois o bebê não está mais exposto aos anticorpos da mãe após o parto, no entanto, é indicado que exames de rotina sejam realizados para evitar possíveis problemas futuros envolvendo a tireoide.

Tratamento

mulher grávida consultando médico para realizar exames da tireoide

O tratamento para Hipertireoidismo na gravidez é feito com medicamentos que regulam os níveis dos hormônios da tireoide, como Tapazol e Propiltiouracil. Inicialmente, as doses são maiores para que os efeitos sejam imediatos, e após algumas semanas elas são reduzidas ou até mesmo suspensas, dependendo da melhora da mulher durante a terapia.

Após o parto, é necessário que se continue tomando os remédios para controlar o funcionamento da tireoide, mas se caso a medicação for suspensa no final da gestação, é preciso realizar novos exames para medir os níveis de hormônios, pois o problema pode retornar. Além disso, é importante ressaltar que os medicamentos devem ser reduzidos durante o período de amamentação, sendo tomados preferencialmente após a mamada do bebê.

Lembre-se de que exames de rotina também devem ser realizados para conferir a saúde da tireoide da criança, pois ela tem mais chances de sofrer com alguma disfunção, como Hipertireoidismo ou Hipotireoidismo, após o parto.

 

Fontes:

http://www.scielo.br/pdf/abem/v52n7/04.pdf

http://www.scielo.br/pdf/rbgo/v30n9/v30n9a05.pdf