Alzheimer

Alzheimer

novembro 19, 2018 0 Por Fernanda

O Alzheimer é uma doença neurodegenerativa comum entre a população idosa. É a forma mais comum de demência.

Doença de Alzheimer

É uma doença que provoca o declínio das funções cognitivas do indivíduo, reduzindo sua capacidade social e interferindo em seu comportamento e personalidade. A Doença de Alzheimer normalmente afeta as pessoas que estão na faixa dos 65 anos de idade. O quadro evolui de forma rápida, impactando gravemente o cotidiano do paciente e sua capacidade de aprendizado, atenção, orientação, compreensão e linguagem.

O Alzheimer é a causa mais comum de demência, os distúrbios cerebrais que causam perda das habilidades sociais e intelectuais. As células do cérebro se degeneram até morrer, resultando em um declínio constante na memória e na função mental.

Alzheimer é Hereditário? Familiares de pacientes têm sim um maior risco de desenvolver a doença no futuro, se comparados aos que não possuem casos na família. No entanto, isso não significa que ela é hereditária.

Por outro lado, o Alzheimer Precoce tem característica hereditária, acometendo pessoas com menos de 65 anos. Os sintomas podem aparecer por volta dos 30 anos de idade, compreendendo falhas da memória, confusão mental ou irritabilidade e agressividade.

O diagnóstico prévio é de extrema importância nestes casos visto que, quando a doença é tratada desde cedo, é possível controlá-la com mais facilidade. Atente-se ao fato de que os sintomas podem ser comumente confundidos com estresse e distração. Os indivíduos que tenham familiares próximos diagnosticados com Alzheimer devem tomar cuidado especial com os sinais.

Alzheimer tem cura? Não. Porém, com o uso de remédios e terapias, é possível controlar os sintomas e retardar sua progressão, evitando o agravamento das complicações cerebrais e melhorando a qualidade de vida do paciente.

Sintomas de Alzheimer

desenho de cérebro sendo apagado por uma borracha

  • Fase inicial: alterações na memória, na personalidade e nas habilidades espaciais e visuais;
  • Fase moderada: dificuldade para falar, para realizar tarefas simples e coordenar movimentos. Agitação e insônia;
  • Fase grave: resistência à execução de tarefas diárias, incontinência urinária e fecal, dificuldade para comer e deficiência motora progressiva;
  • Fase terminal: restrição ao leito, mutismo, dor ao engolir e infecções intercorrentes.

Causa do Alzheimer: a causa do Alzheimer é desconhecida. Os pesquisadores acreditam que ela seja causada por uma combinação de fatores genéticos, estilo de vida e fatores ambientais que afetam o cérebro ao longo do tempo.

Quais são as Fases do Alzheimer?

senhora idosa olhando ao horizonte

  • Fase inicial: é difícil perceber, porque pode ser confundido com apenas uma fase normal do envelhecimento. O começo é gradual, e a pessoa pode apresentar problemas com a propriedade da fala, perda significativa de memória (principalmente coisas que acabaram de acontecer), não saber a hora ou o dia da semana, se perder em locais familiares, ter dificuldade na tomada de decisões, desmotivação, mudança de humor (depressão ou ansiedade), raiva incomum o agressividade em determinadas ocasiões e perda de interesse por hobbies e outras atividades;
  • Fase intermediária: nessa fase, as limitações ficam mas claras e mais graves. As dificuldades aparecem no dia a dia. A pessoa pode ficar desmemoriada, especialmente com eventos recentes e nomes de pessoas, pode não gerenciar mais viver sozinha, é incapaz de cozinhar, limpar ou fazer compras, pode ficar extremamente dependente de um membro familiar ou cuidados, necessita de ajuda para a higiene pessoal, apresenta maior dificuldade com a fala, perde-se em casa e fora dela e pode ter alucinações;
  • Fase avançada: é o mais próximo da dependência e inatividade. Os distúrbios de memória ficam bem sérios e a limitação da doença se torna mais óbvia. O paciente apresenta dificuldades para comer, incapacidade de se comunicar, não reconhecer parentes, amigos e objetos familiares, incapacidade de encontrar seu caminho de volta para casa, dificuldade para caminhar, dificuldade para engolir, incontinência urinária e fecal e comportamento inapropriado em público.

Diagnóstico do Alzheimer

Os médicos capazes de fazer o diagnóstico são clínico geral, neurologista, geriatra e psiquiatra. Observa-se os quadros de demência no Alzheimer com um início lento dos sintomas, mas uma piora progressiva das funções cerebrais.

O diagnóstico certo só pode ser obtido depois que o paciente vier a óbito, por meio de um exame microscópico de seu tecido cerebral. Antes disso esse exame não é recomendado porque apresenta grandes riscos na sua execução. Portanto, o diagnóstico é feito de forma clínica, dependendo da avaliação feita por um médico a partir de exames e histórico do paciente.

doença de alzheimer

Tratamento do Alzheimer

Como não tem cura, o tratamento do Alzheimer é feito para controlar os sintomas e retardar o agravamento da degeneração que é provocada pela doença. É feito com o uso de remédios, associado a terapias que melhoram a independência e o raciocínio do paciente, como fisioterapia, terapia ocupacional e atividades físicas. Também é importante manter uma dieta equilibrada, como Mediterrânea, que é rica em vitamina C, E e ômega 3.

Os medicamentos normalmente utilizados são os anticolinesterásicos (Donepezila, Rivastigmina, Galantamina), Memantina, Antipsicóticos (Olanzapina, Quetiapina, Risperidona), Ansiolíticos (Clorpromazina, Alprazolam, Zolpidem) e Antidepressivos (Sertralina, Nortriptilina e Trazodona).